Cooperação entre governo e hospital leva inteligência artificial para a rede pública
Para Sociedade Setor 31/05/2019

Cooperação entre governo e hospital leva inteligência artificial para a rede pública

Folha de S.Paulo

O big data já não é novidade em hospitais de referência da rede privada de saúde no Brasil. Agora, um projeto de cooperação entre o Ministério da Saúde e o Hospital Israelita Albert Einstein deverá levar um pouco dessa tecnologia —que usa grande volume de dados complexos coletados, armazenados e interpretados por softwares de alto desempenho— também para a rede pública. 

O objetivo é planejar um modelo de gestão da informação mais inovador.

A parceria envolve a elaboração e aplicação de ferramentas de inteligência artificial para realizar análise de dados coletados na rede pública de saúde em 11 municípios, nas áreas de perinatal e materno-infantil. 

Os dados começaram a ser coletados no final do ano passado, e até 2020 está prevista a entrega dos resultados, que serão uma base e uma proposta de integração com outras bases de informação do SUS.

“A partir da análise dos dados será possível predizer os riscos de prevalência de diabetes e hipertensão gestacional em determinada localidade e desenvolver uma política pública adequada para gerenciá-los”, diz Sidney Klajner, presidente do Hospital Israelita Albert Einstein. 

Segundo ele, a parceria deve contribuir para o estabelecimento de uma cultura de gestão baseada em dados, com integração de informações de diferentes setores e inteligência artificial, visando apoiar o planejamento e as tomadas de decisão ligadas a financiamento e coordenação dos serviços.

O projeto nasceu como um desdobramento da experiência do hospital com sua área de big data, criada em 2015. Agora, será viabilizado a partir da progressiva adoção do prontuário eletrônico pelos hospitais da rede pública e a implementação do digiSUS, a estratégia do ministério para a incorporação de tecnologias digitais até 2020. 

A cooperação com o Einstein ocorre no âmbito do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS). 

O valor alocado no projeto será de R$ 32 milhões, com 150 profissionais envolvidos, entre cientistas de dados, arquitetos, engenheiros e gestores da saúde. Também participam equipes da área de tecnologia da informação de três universidades federais, de Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo.

O Proadi-SUS oferece isenções fiscais a hospitais filantrópicos de excelência que propõem projetos assistenciais ou que colaborem para o fortalecimento do SUS.

Além do Einstein, há trabalhos também em cooperação com Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Moinhos de Vento e HCor (Hospital do Coração), nas áreas de bioengenharia, pesquisas com células NK (natural killer), expansão de linfócitos e intervenções intrauterinas, entre outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *