Falta de recursos na saúde fecha serviços e ameaça programas
Setor 12/05/2016

Falta de recursos na saúde fecha serviços e ameaça programas

Folha de S.Paulo / Site
Jornalista: CLÁUDIA COLLUCCI

Um quadro desolador espera a equipe do presidente interino Michel Temer na área da saúde. Com a redução de R$ 5,5 bilhões no orçamento para o Ministério da Saúde este ano, a previsão é que haverá aumento de cortes de todas as ordens.
Nesta semana, o então ministro da Saúde em exercício, Agenor Álvares da Silva, disse que os recursos para o Samu e para o programa Aqui Tem Farmácia Popular só duram até agosto.
O Farmácia Popular foi criado há dez anos e subsidia a venda de remédios contra várias doenças, como Parkinson, diabetes, glaucoma, osteoporose, além de anticoncepcional e controle do colesterol.
Unidades de saúde estão sendo fechadas em todo o Brasil. Ao mesmo tempo, hospitais de referência, como o Hospital das Clínicas de São Paulo e a Santa Casa, também estão restringindo atendimentos ambulatoriais.
Na esfera estadual e na municipal, funcionários públicos da saúde de diversos Estados e municípios estão com salários atrasados ou parcelados.
A crise econômica, que levou ao aumento do desemprego, fez com que 1,33 milhão de pessoas perdessem seus planos de saúde, o que tem levado muita gente a bater na porta do já sobrecarregado e subfinanciado SUS.
Tudo isso em um momento em que o país enfrenta quatro epidemias (dengue, zika, chikungunya e H1N1). O que já era ruim, pode ficar muito pior.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *