Médicos defendem melhorias no sistema regulatório de pesquisa clínica
Setor 21/07/2015

Médicos defendem melhorias no sistema regulatório de pesquisa clínica

Em artigo na Folha de S.Paulo, o Dr. Paulo Hoff e o Dr. Bernardo Garicochea falam sobre o avanço de uma nova estratégia terapêutica contra o câncer e destacam a importância do Brasil aprimorar a regulação de pesquisa clínica. Eles esclarecem que, com isso, mais pacientes teriam acesso a drogas experimentais e a indústria farmacêutica entraria na corrida contra o câncer.
Artigo: Nova arma contra o câncer
Folha de S.Paulo
Colunista: PAULO M. HOFF E BERNARDO GARICOCHEA
Novo tipo de medicação é revolucionário, pois consegue treinar o sistema imune do paciente a reconhecer o tumor e atacá-lo ferozmente
Um jovem foi diagnosticado com uma forma agressiva de câncer de rim há alguns anos. A doença afetava os ossos, o que provocava dores intensas, e o tratamento com quimioterapia e radioterapia não surtiam efeito. Em meados do ano passado, após experimentar todos os remédios conhecidos, a situação passou a ser angustiante.
A esperança veio de um tipo revolucionário de medicação contra o câncer, os imunoterápicos, que já havia se mostrado promissor em outro tipo de tumor, o melanoma. O jovem foi aos Estados Unidos para participar de um estudo clínico em que pudesse receber, experimentalmente, uma nova droga.
Esse novo tipo de medicação é uma revolução em termos conceituais no combate ao câncer. Trata-se nada menos do que treinar o sistema imune do paciente a reconhecer o tumor e atacá-lo ferozmente.
É uma forma engenhosa de tratamento, já que para fugir do sistema imunológico, as células cancerosas criam inúmeros artifícios que as "escondem" das células encarregadas de vigiar o paciente. Localizar e desmontar esses artifícios permite que se use as próprias defesas do organismo contra o câncer.
Uma verdadeira família de medicações com esse mecanismo de ação começa a apresentar os primeiros resultados. Assim, um medicamento retira os linfócitos de um estado de dormência, de forma que eles reconheçam novamente o tumor como um corpo estranho e o eliminem. Outros impedem que o tumor desligue o sistema imunológico.
Esses medicamentos estão começando a tornar-se comercialmente disponíveis em diversos países para melanoma e alguns tipos de cânceres de pulmão avançado. No recente encontro da Sociedade Americana de Oncologia Clínica em Chicago, nos EUA, ficou evidente que esse é apenas o começo do que se presume que será uma história vitoriosa. Essas medicações estão sendo estudadas em outros tipos de câncer e agora de forma combinada, com resultados promissores.
No entanto ainda existem obstáculos para que esse tipo de terapia atinja todo seu potencial. Tumores são resilientes e muitos conseguem modular o sistema imune, dificultando a sua eliminação. O número de estudos necessários para a compreensão e o refinamento dos tratamentos é enorme. Novas estratégias precisam ser desenvolvidas para que outros tipos de tumor possam ser combatidos e para que mais pacientes possam ser beneficiados.
Apesar disso, esbarramos em outro problema. O custo atual desses novos tratamentos está se mostrando um fator impeditivo para seu uso em larga escala, mesmo em países com economia desenvolvida.
Isso torna ainda mais vital que o Brasil aprimore seu sistema regulatório de pesquisa, para que mais pacientes possam participar de estudos clínicos com essas medicações promissoras, e para estimular a indústria farmacêutica nacional a entrar nesta corrida contra o câncer.
Quanto ao jovem mencionado no começo deste artigo, trata-se de um caso real. O paciente conseguiu participar de um estudo clínico e seu tratamento ainda está em andamento. Após alguns meses de tratamento com imunoterápico, repetiu seus exames e a boa notícia foi que todas as suas metástases desapareceram.
O que nós, médicos, esperamos é que mais pacientes possam ter sucesso e que a esperança de pesquisas bem-sucedidas apresentadas em congressos sejam disponibilizadas a todos. Assim, mais pessoas poderão ter a chance de enfrentar uma doença que evolui mais rápido do que gostaríamos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *