“O sistema que serviu para um país de 25 anos atrás não serve para hoje”
Interfarma 14/06/2016

“O sistema que serviu para um país de 25 anos atrás não serve para hoje”

Antônio Britto, presidente-executivo da INTERFARMA, participou do 3º Fórum A Saúde do Brasil, promovido pela Folha de S.Paulo, e destacou a importância de a gestão e o modelo do SUS. Leia a matéria completa abaixo:
É preciso repensar o rol de serviços do SUS, diz gestora da saúde pública

FOLHA DE S.PAULO
14/06/2016 12h57
"O SUS precisa ser integral, o que a gente tem que discutir é o rol de serviços oferecidos", disse Lenir Santos, secretária de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde, durante o 3º Fórum a Saúde do Brasil, nesta terça (14).
Lenir participou da criação do SUS, em 1988. A declaração foi feita durante a segunda mesa do evento, com o tema "É preciso repensar o modelo do SUS?".
Segundo a secretária, o que precisa ser discutido não é a atenção integral à saúde, mas quais medicamentos e tratamentos devem ser oferecidos pelo sistema público.
"Estado e sociedade precisam definir esses serviços, como acontece em outros países que adotam modelos semelhantes", afirmou.
Antônio Britto, presidente-executivo da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa, que também participou da mesa, questionou o conceito de integralidade defendido pela secretária.
"Quem não entrega a integralidade é o próprio SUS, por falta de recursos. O SUS tem que assumir que não pode integrar tudo. O sistema que serviu para um país de 25 anos atrás não serve para hoje", disse.
Apesar de ser crítico ao sistema público de saúde, Britto não acha que o SUS deva acabar. "Saúde é um direito de todos. Não queremos tirar esse direito."
RECURSOS
Em maio, o ministro da Saúde Ricardo Barros (PP-PR) disse à Folha que em algum momento o país não conseguiria sustentar o SUS e que seria necessário repensar o tamanho do sistema. Ele também afirmou que seria um alívio se mais pessoas aderissem a planos suplementares.
Barros recuou da afirmação no dia seguinte e disse que o tamanho do sistema não será alterado.
Para o professor do Instituto de Economia da Unicamp Geraldo Biasoto Jr. é um "milagre absoluto" o SUS funcionar com os recursos que tem.
"Por um lado, é um milagre; por outro, nós temos um problema muito sério…O SUS de fato não é um sistema único, porque ele controla o lado público e regula o privado, mas não consegue integrar os dois", afirmou.
O presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo, Stênio Miranda, também defendeu uma melhor definição na área de atuação do SUS.
"Essa é uma tarefa extremamente complexa porque envolve serviços e ações de dimensões infinitas, com uma finitude de recursos para financiá-las."
Na abertura do evento, na manhã desta terça, o secretário municipal da Saúde de São Paulo, Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde, afirmou que, durante a crise, é preciso fortalecer o SUS, não o contrário.
SEMINÁRIO
O 3º Fórum a Saúde no Brasil tem como tema a saúde em tempos de recessão e acontece nesta terça e quarta (14 e 15) das 8h30 às 13h30 no Tucarena, auditório da PUC-SP (r. Monte Alegre, 1.024, em São Paulo).
Serão debatidos aspectos como as finanças do setor de saúde suplementar e dos hospitais particulares, a viabilidade do SUS, a importância da prevenção e da atenção primária na redução de custos e a possibilidade de novos modelos de assistência médica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *