Precisamos de saúde, mas agora a saúde está dependendo de cada um de nós
Para Sociedade Setor 07/04/2020

Precisamos de saúde, mas agora a saúde está dependendo de cada um de nós

O Dia Mundial da Saúde não poderia ser melhor representado. De um lado, a Covid-19 afligindo o planeta e do outro, profissionais de saúde mobilizados em uma verdadeira batalha para nos proteger. 

A pandemia do novo coronavirus colocou países diante de um verdadeiro cenário de guerra: mortes registradas diariamente, desestabilização política, prejuízos econômicos e sociais incalculáveis, entre outros problemas. E por meio destes fatos, conseguimos ter uma dimensão do potencial da saúde em influenciar todo um sistema e as proporções de seu impacto.

Mas não precisamos de um cenário catastrófico para entender o impacto da saúde em nossas vidas, basta um mal estar ou uma dor, para nos lembrarmos do quanto é bom estar saudável. Porém, esta condição não depende apenas da ausência de doença, porque a saúde não é um fenômeno isolado.

Em resumo, a situação que vivemos hoje gira em torno do acesso à saúde. Porque é a saúde que nos possibilita realizar tudo, desde o nascimento até o final de nossas vidas, mas é o acesso que vai definir a qualidade desta jornada.

Mas afinal, o que é o acesso à saúde?

É o atendimento recebido pelas mães durante a gestação. É o nível da maternidade. É a infraestrutura de nossas casas. É o alimento que consumimos. Pode ser ainda, os hábitos que escolhemos, o hospital que utilizamos ou remédio que tomamos. De forma muito generalista, é o que influencia, direta ou indiretamente, na qualidade e no bem-estar de nossas vidas.

Difícil de entender? Muito. Explicar, mais ainda.

O termo “acesso” na saúde, pode ser traduzido de inúmeras formas e envolve uma infinidade de etapas. Um exemplo mais específico: ficamos doentes, vamos ao médico, que nos receita um medicamento. Compramos o remédio na farmácia e o tomamos. 

Quantas pessoas podem ir ao médico? Quantos podem pagar pelo tratamento que necessitam? Quantos entendem as instruções da bula? Quanto tempo levou para aquele remédio ser desenvolvido até chegar à farmácia?

As respostas dependem de diversos fatores, principalmente, da realidade de quem lê estas perguntas. E no Brasil, existem uma infinidade de realidades. Algumas, dependem dos nossos esforços e da importância que o governo dá para a saúde de sua população. Mas existe ainda, a capacidade que o Estado tem em atender os direitos à saúde, garantidos aos cidadãos brasileiros pela Constituição de 1988.

À época, o Brasil tinha pouco mais de 144 milhões de habitantes. De lá para cá, a população cresceu o equivalente à uma França (66 milhões de pessoas). Somados a isso, temos a longevidade, que gerou o surgimento de doenças mais complexas como o câncer, que exigem tratamentos mais inovadores. 

Com a pandemia, o cenário piorou drasticamente, mas ao mesmo tempo, a Covid-19 veio para mostrar que sempre teremos o apoio total dos profissionais de saúde, mesmo no pior cenário. Mas acima de tudo, é preciso a união entre governo, iniciativa privada e sociedade, cada qual, cumprindo o seu papel como parte da solução para a saúde no Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *