Queixas ligadas a remédios crescem 20% ao ano no país
Setor 13/06/2015

Queixas ligadas a remédios crescem 20% ao ano no país

A Folha de S.Paulo traz uma ampla reportagem sobre o aumento das queixas conta medicamentos. Foram mais de 82 mil reclamações feitas desde 2007, por meio do novo sistema de notificações da Anvisa. Cerca de 44 mil queixas são referentes a problemas anteriores ao uso das medicações, como embalagens inadequadas e falsificações. O restante é sobre reações adversas. Especialistas ouvidos pelo jornal sugerem que essas reclamações, que crescem em média 20% ao ano, sejam reflexo de uma mudança de perfil dos pacientes e não necessariamente de uma piora na quantidade de reações adversas dos medicamentos. O efeito adverso mais notificado é de hipersensibilidade ao produto, situação em que o benefício justifica o risco.
Veja a matéria abaixo. 
Folha de S. Paulo
Natália Cancian
Queixas relacionadas a medicamentos têm crescido nos serviços de saúde.
O sistema de notificações pelo site da Anvisa é relativamente novo. Desde 2007, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recebeu 82.730 notificações de eventos adversos e falhas técnicas relacionadas a remédios.
Em 2007, foram 2.172 reclamações. No ano seguinte, foram 5.705, aumento de 163%. A partir daí, crescimento médio foi de 20% ao ano.
Do total, 44 mil notificações são de queixas técnicas, quando o problema antecede o uso e é ligado ao próprio produto. São os casos em que há suspeitas de falsificações, falta de registro e desvios de qualidade.
A outra parte se refere a eventos adversos: danos não intencionais causados após o uso dos produtos, seja por reações imprevistas, erros de medicação ou prescrições inadequadas, por exemplo.
Para especialistas, o número real de problemas deve ser ainda maior, sobretudo nos casos de eventos adversos. O problema tem levado o setor a buscar novas formas de registro e a incentivar uma mudança de comportamento.
"O paciente tem que perder o medo de perguntar. Ele tem todo o direito de saber que remédio está tomando", recomenda Walter Mendes, da Fiocruz. Para ele, isso pode ajudar a evitar problemas de doses e remédios errados.
O paciente pode ainda se informar sobre contra-indicações e a evolução do tratamento, para que as reações não sejam confundidas, diz Charles Schmidt, diretor da SBMF (Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica).
REORGANIZAÇÃO
Segundo a Anvisa, o crescimento no número de registros ocorre após uma reorganização do setor.
Schmidt concorda. "Não é que os remédios estão causando mais eventos adversos. O que houve é um empoderamento do paciente e intensificação do treinamento médico para que notificassem. Se as pessoas não notificam, não sabemos o que está acontecendo com os remédios."
A maior parte das queixas ainda vem de profissionais de saúde e instituições.
Pacientes relatam dificuldade de acesso ao sistema.
Após as notificações à Anvisa, a agência pode tomar medidas que vão da alteração da bula à suspensão da comercialização e recolhimento do medicamento.
Segundo o órgão, os efeitos adversos mais notificados são casos de hipersensibilidade, mas cujo benefício do medicamento justifica o risco na utilização.
Em 2014, por exemplo, ao menos 95 remédios tiveram a comercialização ou uso suspensos –a maioria após identificação de falhas na qualidade do produto, como mudanças na aparência, erros na embalagem e até troca de um remédio por outro.
Para indústria farmacêutica, número de queixas ligadas a remédios é baixo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *