Seminário online “Vacinas Covid-19: Desafios e Estado Atual”

Seminário online “Vacinas Covid-19: Desafios e Estado Atual”

O vídeo do seminário online “Vacinas Covid-19: Desafios e Estado Atual”, realizado pela Interfarma e a SBMF (Associação Brasileira de Medicina Farmacêutica), está disponível e pode ser acessado aqui. O evento, com coordenação do doutor Eduardo Motti, discutiu a pandemia de coronavírus e a busca por uma vacina para a Covid-19 e foi realizado no dia 29 de julho.  

A presidente da InterfarmaElizabeth de Carvalhaes, destacou o esforço que cientistas e empresas farmacêuticas estão fazendo para descobrir uma vacina contra o novo coronavírus em tempo recorde. “A vacina mais rápida do mundo levou entre 4 e 5 anos. Então, a tarefa – de encontrar uma vacina para o novo coronavírus – não é pequena. Estamos falando de prazos extremamente curtos para se achar uma solução. O que está sendo feito com a Covid é histórico, é inédito, é um aprender com a evolução da pandemia e antecipar conhecimento com a situação dramática. A busca da solução tem sido universal para uma demanda planetária”, afirmou Elizabeth na abertura do seminário. 

Segundo os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), pelos menos 165 vacinas contra o coronavírus estão sendo pesquisadas no mundo. Das 28 já testadas em pessoas, seis estão na terceira e última fase de estudos clínicos. “Duas das vacinas mais avançadas têm sido testadas no Brasil. A vacina inglesa da Universidade de Oxford, que é uma parceria com a AstraZeneca, uma das associadas da Interfarma, e uma parceria com a chinesa Sinovac, por meio do Instituto Butantan. Nós temos o desafio de desenvolver uma vacina, o de controlar uma pandemia e o de criar uma estratégia de produção em escala global”, colocou. 

Para a Interfarma, a indústria farmacêutica está ciente desse desafio nunca vivido e está comprometida com as soluções. “Precisa desenvolver soluções acessíveis a todos em um aprender com a contribuição global e com experiências sucedidas do passado. O setor entende essa responsabilidade com a sociedade. Todos os nossos laboratórios entendem que o momento é de dar um passo pelo ser humano em busca de uma solução. Acordos inéditos têm sido feitos com laboratórios nacionais e internacionais e dados de pesquisas clínicas estão sendo compartilhados entre concorrentes, até chegarmos em resultados mais rápidos. Depois disso, será preciso uma estratégia logística para produção e distribuição. É um esforço global de inúmeras marcas juntas”, disse Elizabeth. 

O seminário contou ainda com a participação do presidente da SBMF, doutor Hélio Osmo; o coordenador da COPEC – Anvisa, Claudiosvam Martins Alves de Sousa; e o professor de doenças infecciosas do HC-FMUPS e investigador no estudo da vacina Butantan-Sinovac, doutor Esper Kallas. 

Para assistir o seminário completo, clique aqui. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.