Vários estados reclamam que não recebem vacinas desde 2015
Setor 17/02/2016

Vários estados reclamam que não recebem vacinas desde 2015

G1 – Jornal Nacional
A falta de vacinas afeta vários estados. Alguns deles dizem que desde o ano passado não recebem vacinas do Ministério da Saúde e que, em alguns casos, as doses enviadas não são suficientes.
Em um posto de saúde de Brasília, no Distrito Federal, as doses contra hepatite B, tétano e a DTP, que protege ao mesmo tempo contra difteria, coqueluche e tétano, estão em falta.
No Piauí, o mesmo problema. Não tem antitetânica, a BCG, contra a tuberculose e nem a vacina contra hepatite B.
Em Pernambuco, por exemplo, são necessárias 100 mil doses contra a hepatite B todo o mês. A Secretaria de Saúde recebeu 77 mil em outubro do ano passado e desde agosto não chegam novas doses contra a hepatite A.
“Nós estamos numa situação crítica e estamos aqui para ajudar o Ministério da Saúde a resolver essa situação. O conjunto de todos secretários estaduais de Saúde do país já fizeram vários ofícios, já fizeram vários comunicados informando dessas dificuldades”, fala o secretário de Saúde do Recife, Ivan Costa.
Ninguém do Ministério da Saúde quis gravar entrevista. Em nota, o ministério disse que 12,7 milhões e doses de vacinas e soros foram enviadas para os estados em fevereiro. O ministério admite que houve atraso na distribuição de determinas vacinas oferecidas pelo SUS por causa da falta delas, no mercado nacional e internacional, e afirma que ainda este mês deve ser normalizada a distribuição da maioria das vacinas, como a que protege contra a hepatite B e a DT, que protege contra difteria e tétano.
No Tocantins, a última remessa da vacina DT foi em dezembro e quem precisa da vacina antitetânica fica sem.
Em Santa Catarina, a antitetânica também está na lista de vacinas em falta. As autoridades de saúde já estão fazendo um alerta à população.
“Para que a população não se exponha a risco, use sapatos, cuidado com os pés, cuidado com os ferimentos e ao menor sinal da doença procure uma unidade de saúde, um pronto atendimento", orienta Vanessa Vieira da Silva, gerente de imunização de Santa Catarina.
Desde sexta-feira (12), o Jornal Hoje está pedindo ao Ministério da Saúde uma entrevista sobre a falta de vacinas. Nesta terça-feira (16), o ministério mandou a nota que diz que 2,5 milhões da vacina DTPA para gestantes aguardam liberação alfandegária e análise para controle de qualidade para posterior distribuição aos estados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *